Pular para o conteúdo principal
Ainda que eu falasse a língua dos homens.
E falasse a lingua dos anjos,sem amor eu nada seria.

É só o amor, é só o amor.
Que conhece o que é verdade.
O amor é bom,não quer o mal.
Não sente inveja ou se envaidece.

O amor é o fogo que arde sem se ver.
É ferida que dói e não se sente.
É um contentamento descontente.
É dor que desatina sem doer.

Ainda que eu falasse a língua dos homens.
E falasse a língua dos anjos,sem amor eu nada seria.

É um não querer mais aue bem querer.
É solitário andar por entre a gente.
É um não contentar-se de contente.
É cuidar que se ganha em se perder.

É um estar-se preso por vontande.
É servir a quem vence,o vencedor;
É um ter com quem nos mata a lealdade.
Tão contrário a si é o mesmo amor.

Estou acordado e todos dormem todos dormem todos dormem.
Agora vejo em parte.Mas então veremos face a face.

É só o amor,é só amor.
Que conhece o que é verdade.

Ainda que eu falasse a língua do homens.
E falasse a língua do anjos,sem amor eu nada seria.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pre-projeto para a Monografia

1. INTRODUÇÃO 1.1 TEMA          O conceito de Liberdade no existencialismo de Sartre 1.2 PROBLEMA            Como podemos compreender a liberdade no existencialista de Sartre? 1.3 PROBLEMÁTICA             Podemos considerar em Sartre a voz do existencialismo, cujo foco principal é a liberdade do sujeito. Ele descreve esse sujeito como projetor do seu futuro e de certo modo, exclui o passado desse; gerando assim, um processo pelo qual o homem vem a ser num outro momento, aquilo no que ele nasceu pra ser, livre em plena liberdade, na medida em que o sujeito torna-se ou se faz aquilo que escolheu a partir de uma indeterminação. E essa indeterminação é a ausência da essência, pois ela não é dada ela é construída.          As concepções tradicionais, por basearem se em uma essência inata do ser, são conhecidas como essencialistas. Já a última, que dá ênfase ao fato de o ser humano primeiro existir e somente em seguida constituir uma essência, é conhecida como existencialismo (PENHA, 2001).        …

Capitulo 3

A existência do homem livre         A filosofia de Sartre só se trata no caso humano, a existência precede a essência, pois o homem primeiro existe, depois define, enquanto todas as outras coisas são o que são, sem se definir, e por isso sem ter uma "essência" posterior à existência. O sentido humano da fórmula sartriana de que " a essência precede a existência" é este: dado o modo como somos, a experiência essencial de nós mesmos é uma experiência de não coincidência, ou seja, é a experiência de não termos essência. A liberdade como não coincidência é o que nos define essencialmente; por isso, dirá Sartre, com ares de paradoxo: " o homem está condenado a ser livre” (Carrasco, Alexandre de Oliveira Torres; A liberdade; São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011. Pg.39.).
        É o homem o centro da filosofia sartriana, pois a existência precede a essência. Ele não é aquilo que se apresenta, mas ele é todo processo histórico de mudanças que veio a ser este homem de Ho…